Nota do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher – MS

Campo Grande (MS) – Em Pleno século XXI,  com a sociedade exigindo conquistas por meio da democracia que estabelece a luta por direitos e igualdades não podemos compactuar com a tese da barbárie, das guerras, das escravaturas, das ditaduras. Ainda que temos que conviver com esse processo de resquícios e de manifestações das mais violentas especialmente contra as mulheres, algo que nos faz refletir, mas ao mesmo tempo lutar de maneira contundente contra essas formas que demostram a intolerância, impunidade e ainda o abuso machista da nossa cultura patriarcal.

Nesta segunda-feira (26/11), em Dourados,  a estudante negra, militante, ativista e mãe, Maiana Barbosa de Oliveira, de 20 anos e sua filha Dandara, de um mês foram vítimas dessa barbárie que tem sido infelizmente uma constante,  o feminicídio. O suspeito é o pai da criança com quem Maiana tinha um relacionamento.

O Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso do Sul repudia toda forma de violência contra as mulheres que viole seus direitos e liberdade, entendemos que esse ciclo de violações só cessará quando a mulher que se silenciar ou se esconder atrás de seu agressor, puder ver esperança de uma vida melhor, feliz  e sem violência.

Diante disso, o CEDM/MS se solidariza a família de Maiana e exige que as autoridades sejam rigorosas diante dessa barbárie, pois a morte de cada mulher é a morte de todas nós. Inspirada na declaração das irmãs “Mariposas”: “Se me matarem, tirarei os braços da tumba e serei mais forte”.

CEDM /MS