Escolas apresentam projetos científicos voltados para cadeia da alimentação

Categoria: Geral | Publicado: quinta-feira, outubro 20, 2016 as 08:17 | Voltar

Doze projetos, entre as 365 escolas estaduais, foram selecionados para compor o hall de exposições da Semana Nacional de Ciência Tecnologia (SNCT), que acontece até sexta-feira (21), no piso térreo do Memorial da Cultura e Cidadania Apolônio de Carvalho. O objetivo da mostra é expor as atividades desenvolvidas pelos Núcleos de Tecnologia Educacionais (NET) da Secretária de Estado de Educação (SED) sobre o tema “Ciência Alimentando o Brasil”. Além de estimular o ensino da ciência com foco na tecnologia nas escolas estaduais, o resultado da iniciativa dos Núcleos também é uma forma de popularizar o conhecimento científico no Estado e País.

“Na fala dos alunos é possível ver a transformação de um legado científico em linguagem cotidiana, isso promove a popularização da ciência, o estimulo a fazer cientifico, bem como, aumenta a curiosidade das pessoas. É muito importante despertar nos jovens a vocação para ciência e tecnologia porque é por meio da ciência que construímos novas soluções para o desenvolvimento do país”, destacou MarceloTurine, diretor-presidente da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (Fundect)

Para aluna da escola estadual Antônio Coelho, de Nova Alvorada do Sul, Rita Gabrieli Barbosa, o seu contato com a ciência não poderia ser descrito de outra maneira. Ela encontrou na pesquisa cientifica uma maneira de combater um problema bastante conhecido na região: a mosca da vinhaça.

“As usinas sucroalcooleiras exalam um produto chamado vinhaça. Essa vinhaça é usada como adubo na lavoura de cana e, aí, surge um ambiente propicio para as moscas. Elas acarretam problemas aos produtores de gados, uma vez que essas moscas são hematófagas, ou seja, se alimentam de sangue, o que gera prejuízos propriedades próximas usinas”, explicou Rita.

Para resolver o problema, Rita está desenvolvendo, junto com sua colega Maria Dolores Lobato um larvicida natural a base de ervas como hortelã, cravo da índia dentre outras. “Resolvemos produzir esse larvicida para combater a mosca da vinhaça em seu estágio larval, porque não houve êxito ainda no combate da mosca no estágio adulto”, comentou.

A pesquisa das alunas integra o programa PIB Junior da Fundect que concebe bolsas de estudo para estudantes secundaristas com objetivo de Fortalecer o processo de disseminação das informações e conhecimentos científicos e tecnológicos básicos.

O larvicida natural para o combate da mosca da vinhaça não é o único destaque da feira. Na verdade, a feira de exposição montada no Memorial da Cultura apresenta ao publico diversas tecnologias utilizadas na produção de alimentos. Em Jardim, por exemplo, o NTE da região desenvolveu a partir do óleo de cozinha usado na escola, sabonetes de coco e detergentes naturais. A tecnologia não apenas auxilia na limpeza da escola, mas também é um recurso mais sustentável que não agride a natureza.

A visitação é aberta ao público e gratuita. A SNTC é coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e tem por objetivo aproximar a população da ciência e da tecnologia, realizando atividades de divulgação científica em todo o País, com linguagem acessível e por meios inovadores para estimular a curiosidade e motivar a população a discutir as implicações sociais da ciência e aprofundar seus conhecimentos sobre o tema escolhido: Ciência Alimentando o Brasil.

Texto e Foto: João Costa Jr.

Publicado por: tmotta@fazenda.ms

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.