Jerry & Barbados levam polca rock para o Fasp

Categoria: Geral | Publicado: quarta-feira, novembro 9, 2016 as 07:15 | Voltar

jerry

Jerry é um dos pioneiros da polca rock com versatilidade também em outros ritmos

 

Campo Grande (MS) – A polca rock é um estilo musical muito difundido pelos músicos sul-mato-grossenses. Jerry Espíndola é um dos pioneiros e vai levar esse ritmo para o Festival América do Sul Pantanal no próximo sábado (12/11), às 21h, na praça Generoso Ponce. Jerry  & Barbados  é o  novo  trabalho  do  cantor. A   proposta   é   investir   em   ritmos   brasileiros   e   latino- americanos bem como  potencializar o regionalismo contemporâneo como a polca- rock.

O repertório do show conta com canções inéditas de Jerry influenciadas pelo samba, reggae e rap, e composições de sua autoria já gravadas por ele. O músico também fará releituras de artistas como Raul Seixas, Alzira E e Dani Black e irá interpretar canções de novos compositores da música urbana produzida em Campo Grande como “Ela Encanta”, de Marina Peralta, e “O Jogo Vai Virar”, de Xáras Gabriel e Viníl Moraes. O objetivo é a   fusão   de   sonoridades,   estéticas   e   gêneros,   refletindo   a   grande miscelânea musical da atualidade.

A cantora Fabrízia Souza faz uma participação especial cantando duas músicas, a inédita “Algum Lugar”, de Jerry e Rodrigo Teixeira, e “Beijos de Imã”, de Jerry, Alzira  e Arruda, gravada por Ney Matogrosso em seu último álbum. Outra participação feminina é da atriz Aline Calixto que recita o Poema da Puta, de autoria da matriarca dos Espíndola, dona Alba.

Na formação dos Barbados uma mescla de gerações, começando por Jerry e Rodrigo Teixeira (baixo), parceiros de longa data e percussores da polca- rock; Alex Kundera (bateria), músico atuante e importante na cena do rock-campão desde os anos 90; já com a pegada do século 21, Dhonnatas Oliveira (guitarra), que foi integrante da Dombraz, uma das bandas referência da cena local atual; e Júlio Queiroz (teclados), compositor, arranjador  e  multi-instrumentista,  trazendo  novas  sonoridades  para  a som.

Jerry comentou sobre o que espera desse  Festival, “que tenha um ótimo público, fora a expecativa de sempre que o festival causa, de fazer conexões com outros artistas”,  e completa “fico com a expectativa dos encontros inesperados que possam acontecer”.

 

texto André Messias

fotos Edemir Rodrigues

Publicado por: tmotta@fazenda.ms

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.