SNCT 2015 – Moderno e antigo se misturam e encantam estudantes que visitam as atrações em Campo Grande

Categoria: Geral | Publicado: sexta-feira, outubro 23, 2015 as 15:17 | Voltar

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT 2015) em Mato Grosso do Sul está encantando os estudantes que visitam a feira de Campo Grande, capital da unidade federativa. Promovido pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), em parceria com os governos estaduais de todo o Brasil, o evento traz ao público diversos estudos e experimentos que chamam a atenção pela diversidade e pela qualidade dos projetos.
O novo e o velho se misturam na SNCT e levam os alunos a mundos antes nunca imaginados. Fósseis e pinturas rupestres dos primeiros habitantes de Mato Grosso do Sul fazem os estudantes irem para uma época remota e se sentirem como homens e mulheres de 12 mil anos atrás. "Tem muitas coisas diferentes. A parte da arqueologia, com as pinturas e escavações nos fez ter ideia de como era aquela época. Eu já tinha visto em livros, mas, assim pertinho, é como se estivéssemos lá", diz a estudante do 1° ano do ensino médio, Maysa Clara Sousa, sobre o material do Museu de Arqueologia (Muarq) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) exposto na SNCT.
O projeto, que surgiu há mais de 30 anos, tem como proposta produzir conhecimento do passado humano e sua socialização. Chefe do Muarq, Emília Mariko Kashimoto, de 52 anos, explica que "o resultado da pesquisa contribui para a ampliação do conhecimento histórico e da diversidade cultural e suas relações com a biodiversidade".
A estudante Maysa, que tem 20 anos, ainda se diz impressionada com o motor de Van Der Graaff. O equipamento, desenvolvido originalmente pelo engenheiro norte-americano Robert Jemison Van de Graaff (1901-1967), é destinado ao estudo experimental da eletrostática. O motor movimenta uma correia isolante, que passa por duas polias e uma delas, acionada por um motor elétrico, faz a correia se movimentar. Através das pontas metálicas, a correia recebe carga elétrica e a correia eletrizada transporta as cargas até o interior da esfera metálica, onde elas são coletadas e conduzidas para a superfície externa da esfera. Toda essa movimentação resulta em cabelos arrepiados e olhos arregalados.
A estudante Kerolyne Brito, de 16 anos se arriscou no equipamento e confessou ter ficado com medo de tomar um choque, mas aprovou a experiência. "No começo fiquei com medo. A sensação é diferente, parece com um arrepio", disse.
Amanda Chimenes Rosa, de 15 anos, que só observava a colega arrepiar os cabelos, adorou o experimento. "Chamou muito a minha atenção. Achei bem divertido".
Outro ensaio que não passou despercebido foram as fotos em 3D dos mais diversos objetos. De besouros a polpa da acerola, e de bucha vegetal a solitária, as fotos impressionam os alunos.
Igor Siqueira, de 15 anos, disse ter tido a sensação de entrar no objeto. "Nos filmes 3D, a imagem sai da tela. Aqui parece que a gente entra neles. Achei o máximo", destacou.
Bom para o aprendizado
E não foram apenas os alunos que se encantaram. A professora gerenciadora dos Recursos Tecnológicos e Midiáticos da Escola Estadual 26 de Agosto, que visitou a SNCT na quinta-feira (22), Jéssica Betania Scheffer, de 28 anos, afirmou que a experiência vai enriquecer as próximas aulas. "A partir do momento que os alunos saem da escola, têm novas experiências, vivenciam novas tecnologia, contribui muito para o ensino. O que cada um aprendeu hoje não vai ser válido apenas para eles, mas para todos nas discussões em sala de aula", frisou.
Acesse o hotsite da SNCT 2015.
Fonte: MCTI

Publicado por: tmotta@fazenda.ms

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.